sábado, 18 de novembro de 2017

Subjectivity and Reality

The subjective world is rather tricky.
We start thinking about what really is, instead of what appears to be, to question beliefs and feelings, and quickly becomes obvious that we don't know anything at all.
It's a very slippery thing. Like that rainbow you can only see with the corner of the eye, and disappears once you focus your vision.
How do we know when we like someone? Sounds like a stupid question, but is it?
It's easy to convince ourselves that we like someone when we are in the middle of nowhere, lacking options, feeling underappreciated, lonely, etc.
First it's required to figure out what you value. In a way the brain attributes ponderosity to each thing, and with that it proceed with the task it was made for: calculate.
Maybe that's not so obvious to everybody but the brain is a huge calculator which presents the results in feelings, instead of numbers, probably to convince us of authenticity. And this calculation isn't always accurate. And it is far from seldom how often we cheat during this process.
A temporary situation enters the equation as much as something more permanent, and it doesn't have to last a long time, be very intense, or require that we put a lot of effort to convince ourselves of its perenniality. And then our results start losing their reliability.
Say you value beauty, and end up going to a place everybody is what you consider ugly. Even if you stay for a short time, you'll quickly choose the least worse, and in no time you'll believe you should be together with that person. But how is this "least worse"? You analyze how good looking people are (since in this example beauty is the key factor) among those you believe you stand a chance with (be it real or imaginary, and that will depend both on the beliefs you have based on your self-esteem, as on reality, I.e. from the standpoint on the other person to be interested in you), and if the result is too tight between some people, you will insert on the calculation some other attributes that you value a lot. But the biggest ponderosity is what happens between the two of you. If you never had anything with a person, that won't make it to the equation, but you have been going out with someone, everything will be amplified. The positive sides will be much more important, the pleasure of being with the other person will make a very relevant part of the equation (which by itself ruins the whole calculation already since you can't estimate how pleasant would be to be with someone you never been with), but the negative sides will go through the same changes, and you will believe that none of those negative things would be felt with other people, with those you never had anything with.
Let's say you have much more good moments than bad together and, even though rationally you don't find that person gorgeous or possessing many of the secondary (for you) traits, you end up distorting your perception and considering this person better than you would really see them. And then you start a relationship.
You think you are very happy in your relationship, until you move to another town on which everybody is much better looking (you can easily change the example of what you value for whatever you want: intelligence regarding what you appreciate, sense of humor, ambition, etc.) than your partner. Soon enough you start finding your relationship insufficient (in so far as looks matters more than the experiences you had together). It wasn't that things grew sour, your calculation just changed. You start convincing yourself of the opposite, for worse. And so you break up.
That's why many relationships don't last. Say you have low self-esteem and haven't been with anyone for a while. Whatever comes will be good enough, because your expectations are low. It's like starving: getting something to eat seems to be the best thing in the world, but when food stops being an issue you start to need more, like safety, for instance. And if you have food and safety for granted you'll start considering bad that you don't have culture. Nothing but Maslow's Pyramid (read about it, it's worth!).
But we can't forget how much our brains value positive experiences with someone. It's a mechanism that makes us create strong and long-lasting bounds with those who gives us pleasure, or helps us in time of need. That perpetuates relationships far beyond ideal (as if there was such thing as an ideal situation...). This happens not only regarding people, but also places, jobs, hobbies, etc.
So we face a dilemma. We know we are fooling ourselves, but, on one side thinking just about the possibilities (never real ones, always believed ones) will prevent us of wanting to be with someone, because there will always be someone "better", and on the other side believe only in the illusions we create for ourselves will make us settle for dissatisfaction.
We like books, soup-operas, movies, tv shows, etc. e feel real emotions with such fantasies because our brains like to believe things are real. It's all content from someone's mind, who wrote that story. Same goes for liking videogames: it's nothing more than an intricate myriad of equations hidden by images and sounds. It's our propensity to deceive ourselves that allows us believe in the veracity of such products (the immersion). If you take your time to analyze you'll see it's all just words or calculations that someone came up with and, as a magic trick gets boring after you get how it works, those medias will also lose their value for us.
My dad mockingly says a sentence "Fool me because I enjoy it". And that, to be honest, is our definition as humans. We like illusions, and they give meaning and color to our lives, but our other option, too see everything for what they really are, is a cold and disconnected world.
What a ironically cruel destiny, this one!

Where should we draw the line between been objective or been fooled (and fool ourselves)?

Postado por Ricardo Ceratti.

Mental states and silence

I imagine nowadays everybody knows already what it is to be and introvert or extrovert. And also that 2/3 of the population is extrovert (or at least falls more on that side of the spectrum).
I will overly simplify to approach the topic I want to talk about: extroverts need things happening, interaction, high stimuli, and freak out when they are alone or in the silence; meanwhile introverts are more sensitive to stimuli and have a lot to do inside their heads, which gets disturbed by real life interactions, therefore freaking out without moments of silence.
Silence: generally speaking unless you isolate yourself it is more rare than gold.
We live in a permanent state of noise, but that's okay, since most of the world's population likes that, or don't even notice it. But that's an immense torture for introverts.
I propose a test, which would be very nice if a lot of people did taking it very seriously and later share their results. Analyze, during a whole day, the frequency of noise on their daily basis. But this way: living normally, go to work, study, see friends, read a book, go to a park, have breakfast at home, watch tv, whatever. Live your day normally (preferably a week day, otherwise you might hole yourself at home on a sunny Sunday when everybody go to a park, and you will end up having the most silent day mankind ever experienced). It would be good to write down when a noise starts and when it ends, as well as to identify how many are active at the same time (for instance, one is a tv on, the second one is a dog barking on the street, the third one is the waste collectors talking loudly to each other while picking the garbage, a forth one is a car honking at another one on a not so distant street), and if I would be so lucky, create a scale to measure the experienced intensity (I.e. how loud the sound was where you stand).
It's not necessary to do the test to know that a normal day is almost fully polluted by noise. There are very rare moments of silence unless it's the middle of the night while everybody is asleep (and maybe that's why I like so much to be awake during the night: to have a few hours of silence while awake).
Now it comes the interesting part. Shall we invert that? Make the whole world to experience the opposite, having silence almost every hour of the day, only noise and something going on during the night, or unless you isolate yourself in a noisy Buddhist temple, or in a farm that is more resembling to a rave. Tell me: how long would it take until all the extroverts freak out completely, kill themselves, develop psychological illnesses, or simple break once and for all with reality, becoming psychotic?
I wouldn't give them a week or two. Wonder why so many introverts are depressed or suffer from mental disorders? Why would that be, right?
Have you felt chronic pain? I broke a ligament about ten years ago and every time the weather gets too humid or the temperature drops quickly I feel a somehow small amount of pain. But that usually lasts for a few days. A few days feeling a bit more than a bit of pain. It ruins my mood. I get a bit sad, get irritable, can't concentrate, etc. Just a few days, and not any serious pain or anything. Now imagine this constant nuisance that the noise is, often not so low, during YOUR ENTIRE LIFE. Who wouldn't go crazy?
It's impossible to live a silent life without isolating yourself, but it's possible to drastically reduce the noise. You might think it isn't, but compare the silent environment (or what approaches that) that is the capital of Germany, to the chaos that is the surroundings of Gare du Nord in Paris, to the city center or the neighborhood of Azenha in my city, Porto Alegre.

While a device that allows you to go deaf better than our eyelids allows us to go blind isn't invented, exercise your empathy, think about the minority (not that much minority) that lives in constant suffering, and try to reduce the noises you produce.

Posted by Ricardo Ceratti.

Ignorance is bliss

Ignorance is a bliss - probably humanity's most cliche sentence.
But there's some truth behind it.
A small child, in normal conditions, would see the world in a warm, optimistic, hopeful way. She believes the unknown will be positive once it is revealed, and it is exciting the infinite things to discover. Not all kids are beams of joy, obviously, but most of them are in a way.
An old man, in normal conditions, sees the world in a cold, tired, pessimistic way. Unless he have had become wise enough to protect himself from reality by focusing the positive while ignoring all the rest. He already experienced too many things and his statistic brain realized that most of them are negative, that there is a not so pretty reason behind even the beautiful things, that the world isn't fair, and rules aren't for everyone, that illusion and deceive are more like to be the rule, not the exception (not always intentional or conscious).
He sees reality and realizes it's not exactly a pleasant thing to see.
What differentiates drastically those two groups? The experience, knowledge. The first one is ignorant, while the second one knows more than he would like.

But ignorance is a false form of happiness, based on reveries with little or no contact to reality. I don't know of a single grumpy realist that would like to forfeit what he knows in exchange for a little more of illusory happiness.

Posted by Ricardo Ceratti.

Estados mentais e silêncio

Imagino que hoje em dia todo mundo já saiba o que é ser introvertido ou extrovertido. E também que em torno de 2/3 da população é extrovertida (ou ao menos pende mais para este lado do espectro).
Vou super simplificar para entrar no tópico que quero abordar: extrovertidos precisam de coisas acontecendo, interação, alto estímulo, e surtam com ficarem sozinhos ou com o silêncio; enquanto introvertidos são mais sensíveis aos estímulos e possuem muito o que fazer dentro de suas cabeças, o que é atrapalhado pela interação na vida real, e por isso que surtam se não conseguem uns bons momentos de silêncio.
Silêncio: de maneira geral a não ser que você se isole, é algo mais raro que ouro.
Vivemos num estado permanente de barulho, mas isso é okay, pois a maioria da população gosta disso, ou sequer percebe. Mas isso é uma tortura imensa para os introvertidos.
Proponho um teste, que seria bem legal se muita gente fizesse levando bem a sério, e compartilhasse seus resultados depois. Analisar durante um dia inteiro a frequência de barulho em seu dia-a-dia. Assim, viver normal, ir trabalhar, estudar, ver os amigos, ler um livro, ir para um parque, tomar café da manhã em casa, assistir televisão, o que for. Viva seu dia de forma normal (melhor dia de semana, senão você pode acabar se entocando em casa num domingo ensolarado que todos vão para um parque, e acabará tendo o dia mais silencioso da história da humanidade). Seria bom marcar quando um ruído começa e quando termina, bem como identificar quantos estão ativos ao mesmo tempo (por exemplo um é a televisão do vizinho ligada, o segundo é o cachorro latindo na rua, o terceiro são os garis falando alto uns com os outros enquanto recolher o lixo, e um quarto é um carro buzinando para o outro numa rua não muito distante), e se eu fosse tão sortudo, dar uma escala de intensidade experienciada (ou seja, o quão alto foi o som onde você está).
Não é preciso fazer o teste para saber que um dia normal é quase que inteiramente poluído por barulho. São raríssimos os momentos de silêncio a não ser que seja de madrugada quando todos estão dormindo (e talvez seja por isso que eu gosto tanto de ficar acordado na madrugada: para ter algumas horas de silêncio em minha vigília).
Agora vem a parte interessante. Vamos inverter isso? Fazer o mundo inteiro viver o inverso, no qual há silêncio em quase todas horas do dia, somente barulho e algo acontecendo durante a madrugada, ou caso você se isole da sociedade em algum barulhento templo budista, ou numa fazenda que mais parece uma rave. Me diga: quanto tempo levaria até que todos extrovertidos surtem completamente, se matem, desenvolvam doenças psicológicas, ou simplesmente rompam de vez com a realidade se tornando psicóticos?
Eu não daria mais que uma semana ou duas. Por que será que tantas pessoas introvertidas são deprimidas ou sofrem de transtornos mentais? Por que será, né?
Você já sentiu dor crônica? Eu rompi um ligamento há uns dez anos atrás e toda vez que o clima fica muito úmido ou a temperatura baixa rapidamente, eu sinto uma quantidade relativamente baixa de dor. Mas isso costuma durar alguns dias. Alguns dias sentido um pouco mais que um pouco de dor. Me estraga o humor. Fico meio triste, irritadiço, não consigo me concentrar, etc. Só alguns dias, nenhuma dor grave nem nada. Agora imagine este constante incômo que é o barulho, muitas vezes não tão baixo, durante TODA A SUA VIDA. Quem não enlouquece?
Não é possível viver uma vida silenciosa sem se isolar, mas é possível reduzir imensamente o barulho. Você pode achar que não, mas compare o ambiente silencioso (ou que se aproxima disso) que é a capital da Alemanha, com o caos que são as redondezas da estação Gare du Nord em Paris, ou com o centro ou Azenha da minha cidade, Porto Alegre.
Enquanto não for inventado um mecanismo de se ensurdecer melhor que as pálpebras nos cegam, faça um exercício de empatia, lembre-se da minoria (não tão minoria assim) que vive em constante sofrimento, e tente reduzir o barulho que você faz.

Postado por Ricardo Ceratti.

Ignorancia é uma bênção

A ignorância é uma bênção - provavelmente a frase mais clichê da humanidade.
Mas há uma certa verdade por trás dela.
Uma criança pequena em condições normais vê o mundo de uma forma quente, otimista, esperançosa. Ela acredita que o desconhecido será positivo quando se revelar a ela, e é excitante a infinidade do que há para descobrir, comparado ao pouco que já descobriu. Nem toda criança é um feixe de alegria, obviamente, mas a maioria de certa forma é.
Um idoso em condições normais vê a vida de forma fria, cansada, pessimista. A não ser que tenha sido sábio o suficiente para se proteger da realidade através do foco no positivo enquanto ignora todo o resto. Ele já experienciou coisas demais e seu cérebro estatístico se deu conta de que a maioria das coisas que descobriu são negativas, que há uma razão não tão bonita mesmo por trás das coisas belas, que o mundo não é justo, que as regras não são para todos, que a ilusão e falsidade estão mais para regra que exceção (nem sempre intencional ou consciente). Ele enxerga a realidade e percebe que não é uma cena lá muito agradável.
O que diferencia drasticamente estes dois grupos? A experiência, o conhecimento. O primeiro é ignorante, enquanto o segundo sabe mais do que gostaria de saber.
Mas a ignorância é uma falsa felicidade, baseada em devaneios com pouco ou nenhum contato com a realidade. Não conheço um realista ranzinza que gostaria de abrir mão do que sabe em troca de um pouco mais de ilusória felicidade.

Postado por Ricardo Ceratti.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Subjetividade e realidade

O mundo subjetivo é uma coisa muito complicada.
Começamos a pensa no que realmente é, e não no que nos parece ser, a questionar crenças e sentimentos, e rapidamente fica óbvio que não sabemos de absolutamente nada.
É uma coisa muito escorregadia. Como aquele arco-íris que você só enxerga se for pelo canto do olho, que desaparece quando você foca a visão.
Como saber quando gostamos de alguém? Parece uma pergunta idiota, mas será que é mesmo?
É fácil se convencer de gostar de alguém quando estamos no meio do nada, nos faltam opções, nos sentimos desvalorizados, quando estamos carentes, etc.
Primeiro é preciso descobrir quais as coisas que você valoriza. De certa forma o cérebro atribui peso para cada coisa, e com isso segue com a atividade para a qual foi criado: calcular.
Talvez isso não seja óbvio para todos, mas o cérebro é uma imensa calculadora cujos resultados nos são dados em sentimentos, ao invés de números, provavelmente para nos convencer de sua autenticidade. E nem sempre o cálculo é preciso. E está longe de ser incomum o quanto trapaceamos neste cálculo.
Uma situação temporária entra na equação tanto quanto algo mais permanente, e não precisa durar muito tempo, ser muito intensa, ou fazermos muita força para nos convencermos de sua perenidade. E aí nossos resultados começam a perder sua confiabilidade.
Digamos que você valorize beleza, e acabe indo para um local onde todas as pessoas são o que você considera feias. Mesmo que fique por pouco tempo, você rapidamente escolherá a opção menos pior, e sem grandes demoras acreditará que deve ficar com aquela pessoa. Mas como é esse "menos pior"? Você analiza o quão belas são as pessoas (pois neste exemplo beleza é o fator chave) dentre aquelas que você acredita ter uma chance (seja real ou imaginária, e isso vai depender tanto das crenças que possui baseadas em sua auto-estima, quanto da realidade, ou seja, quanto da possibilidade real, do ponto de vista da outra pessoa, de se interessar por você), e se o resultado ficar parelho entre algumas pessoas, você vai inserir no cálculo outros atributos que você dá um peso alto. Mas o que mais pesa é o que realmente acontece entre vocês. Se você nunca teve nada com ninguém, isto não entra na equação, mas se você tem saído com uma pessoa, tudo será amplificado. Os pontos positivos terão muito mais peso, o prazer que vem de estar com a outra pessoa entrará de forma bem relevante na equação (o que já estraga todo o cálculo pois você não tem como estimar o quão prazeroso será estar com pessoas com quem nunca esteve), mas os pontos negativos também passarão pelo mesmo efeito, e você acreditará que nada do que experiencia de negativo seria sentido com outras pessoas, com as quais você nunca teve nada.
Digamos que você tem muito mais momentos bons que ruins juntos e, apesar de racionalmente você não achar esta pessoa linda ou com tantas outras qualidades secundárias (para você), você acaba distorcendo sua visão e a achando melhor do que realmente a veria. E então vocês namoram.
Você acha que está muito feliz em sua relação, até que você se mudam para outra cidade na qual todo mundo é muito mais bonito (você pode trocar o exemplo do que valoriza mais pelo quiser: inteligência sobre o que você aprecia, senso de humor, ambição, etc) que seu par. Logo você começa a achar sua relação insuficiente (na medida que a aparência está acima das experiências positivas que vocês têm juntos). Não foram as coisas que pioraram, seu cálculo simplesmente mudou.
Você passa a se convencer do contrário, para pior. E termina a relação.
Por isso que muitas relações não se mantém. Digamos que você tem baixa auto estima e está encalhado há tempos. O que aparecer será bom o suficiente, pois seu nível de exigência estará baixo. Mas o ser humano sempre busca mais, e logo estará insatisfeito. É como estar morrendo de fome: conseguir algo para comer parece ser a melhor coisa do mundo, mas quando comida deixa de ser um problema você passa a sentir necessidade de algo mais, como segurança, por exemplo. E se tem comida e segurança, passará a achar ruim não ter aspectos culturais. Meramente a pirâmide de Maslow (pesquise, vale a pena!).
Mas não podemos nos esquecer do quanto nossos cérebros valorizam as vivências positivas com alguém. É um mecanismo que nos faz formar vínculos fortes e duradouros com quem nos dá prazer, ou com quem nos ajuda quando realmente precisamos. E isso perpetua relações infinitamente abaixo do ideal (como se uma situação ideal existisse...).
Não é somente com pessoas que isso acontece. O mesmo vale para lugares, empregos, hobbies, etc.
E então nos deparamos com um dilema. Sabemos que estamos enganando a nós mesmos, mas, por um lado, pensar somente no mundo das possibilidades (nunca reais, sempre acreditadas) nos impedirá de querer estar com alguém, pois sempre haverá alguém "melhor", e por outro lado acreditar somente nas ilusões que criamos para nós mesmos nos fará nos contentar com a insatisfação.
Gostamos de livros, novelas, filmes, seriados, etc. e sentimos emoções reais com tais fantasias porque nossos cérebros gostam de acreditar que as coisas são reais. Tudo não passa do conteúdo da cabeça de alguma outra pessoa, que escreveu aquela história. O mesmo vale para gostar de videogames: não passam de uma intrincada miríade de equações disfarçadas por imagens e sons. É nossa propensão ao auto-engano que nos permite acreditar na veracidade de tais produtos (a imersão). Se você parar para analisar verá que tudo não passa de palavras ou cálculos que alguém criou e, como um truque mágico perde a graça quando entendemos como funciona, estas mídias também perderão seu valor perante nosso olhar.
Meu pai debochadamente diz uma frase: "Me engana que eu gosto". E isso a bem da verdade nos define como humanos. Gostamos das ilusões, e elas dão sentido e graça às nossas vidas, mas a nossa outra opção, de enxergar tudo pelo que realmente é, é um mundo frio e desconectado.
Que destino ironicamente cruel esse!
Onde traçar a linha do quanto ser objetivo ou o quanto ser enganado (e se enganar)?

Postado por Ricardo Ceratti.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Vida amorosa e imigrantes

A ideia de que o homem deve bancar os encontros. Que vigem no tempo!
Não é mais que um resquício duma sociedade de dominação machista do passado.
Veja, as mulheres não eram permitidas a trabalhar. Ou estudar. Ou viver suas próprias vidas - geralmente eram em fardo para as famílias que basicamente precisavam pagar a um homem para que casassem com elas e se tornar responsável (dum jeito "dono", por pior que soe) por aquela pessoa.
As mulheres eram subjugadas e, de certa forma, escravizadas. Neste cenário elas PRECISAVAM de um homem para meramente sobreviver - comer, ter um teto sob sua cabeça, ter roupas, e até mesmo ter o mínimo de respeito e aceitação social da sociedade.
Bárbaro, não?
Um homem presentearia sua esposa com jantares e presentes, e trazer comida para casa, não exatamente por razões altruístas, mas em boa parte para inflar sua auto-estima. "Eu sustento essa casa". "eu te levo para sair", "eu ponho comida na mesa", "eu te dou coisas bacanas". É basicamente dizer "olhe como eu sou incrível!" misturado com um argumento que não passa de uma grande chantagem emocional que basicamente diz "eu faço tudo por você, eu te mantenho vida, aquecida e alimentada, e olhe como você é ingrata!". Eu até extrapolaria as coisas um pouco e pergunto uma coisa: se você inserir uma barreira de comunicação instransponível, e se livrar do contexto sexual (e o que faz parte do seu pacote, como ciúme), esta relação não acaba lembrando um pouco a relação que temos com nossos cães de estimação?
Os tempos mudaram, felizmente, e com isso a dinâmica social muda. Em alguns países as mulheres gostam de estabelecer uma relação invertida, como em alguns países Escandinavos onde as mulheres sentem a necessidade de serem quem banca a coisa toda. Muitos outros países, especialmente os desenvolvidos, acreditam em igualdade, seja cada pessoa pagando o que consumiu, ou dividindo a conta, ou se intercalando para pagar a rodada de bebidas. Mas alguns países parecem se agarrar ao passado com as duas mãos, e tanto homens e mulheres ainda acreditam que o homem deve pagar por tudo. Isso me parece meio injusto...para ambos! Veja bem, ambos trabalham agora, tomam conta de suas próprias vidas, tomam suas próprias decisões, como deveriam, e apesar do grande debate sobre salários e direitos desiguais, ambos são trabalhadores, como o mesmo valor, e fazendo a mesma quantidade de dinheiro (ou deveriam). Por que um deve pagar para o outro (seja a mulher Dinamarquesa pagando para o homem, ou o homem Brasileiro pagando para a mulher)? Se você analisar longitudinalmente isso é um grande baque no orçamento, e seria até mesmo, em casos muito extremos (e estúpidos) ser razão para defender salários maiores para os homens (ou para aquelas Dinamarquesas que mencionei antes) - afinal de contas eles possuem essa despesa da qual não podem escapar. Não seria melhor pagarem igualmente (de alguma forma) e receberem salários equivalentes? Mas dinheiro não é o maior problema aqui, na minha humilde opinião, mas a sorrateira afirmação que isso faz para ambos. Pode não ser algo dito e nem sequer pensado conscientemente, mas está lá, acredite, está. De um lado é algo como "Eu, como pessoa, não sou merecedor da companhia desta pessoa se eu não tivesse que pagar? Se eu não precisasse por um extra, para equilibrar as coisas?", e a outra pessoa tem o sentimento invasivo de "Sou alguém que alguém pode pagar pela companhia? Há algum compromisso neste contrato não dito no qual as coisas me são pagas, se paga pela minha companhia, indiretamente na mesma maneira que se paga por uma prostituta?". É desrespeitoso e desvalorizador a ambos! Mas as coisas podem piorar. Como em qualquer situação desequilibrada, as coisas se tornam um pouco extremas quando vistas através das lentes de um imigrante. Não me refiro aos (raros, de certa forma) casos de expatriados com uma boa carreira cuja empresa resolve transferir seus funcionários para um outro país. Estou falando sobre o típico classe baixa ou média que se muda para outro país para tentar melhorar de vida, tendo que começar basicamente tudo do zero. Eu não estou dizendo que aquele que se muda pela empresa tenha uma vida fácil, mas as coisas são mais extremas para os do outro caso.
Então temos essa pessoa que se muda para outro país, geralmente um bocado longe de ser fluente na língua, geralmente sem poder usar seu nível educacional (ao menos inicialmente), incapaz de encontrar um emprego decente (ao menos inicialmente também), longe dos amigos e da família, provavelmente sem conhecer ninguém, sem saber como as coisas funcionam, quais documentos precisa obter, quais direitos possui, tendo que lidar com preconceito em todos sentidos (em conseguir emprego, fazer amizades, namorar, abrir conta bancária), não sendo incomum ter que pagar pelo visto ou algo que provê o visto, e não sendo exatamente raros os casos de enviar dinheiro para a família. Esta pessoa simplesmente se meteu num desafio e tanto. E em algumas sociedades as coisas crescem a dificuldades paradoxais.
Então você tem um emprego ruim, provavelmente sendo explorado e mal pago, provavelmente morando numa casa superlotada que é o que pode pagar, gastando muito tempo e dinheiro em idas e vindas para trabalhar, se sentindo carente pela falta de amigos, família, relacionamento. Você está batalhando com dificuldade, fazendo malabarismo com seu moral e finanças. E então você finalmente consegue um encontro (através de algum app, como aparentemente é o único jeito hoje em dia). Mas você simplesmente TEM que pagar pelos dois TODA VEZ que você vê essa pessoa. Um tremendo baque numa vida financeira já sufocante, e um imenso golpe no seu senso de valia já debilitado.
Você vai precisar escolher entre o ciclo de tornar sua situação financeira ainda pior, ou tornar sua carência ainda pior.
Então dê uma pensada sobre sua concepção pré-histórica sobre relacionamentos - ao menos quando se trata de sair com um imigrante que já tem uma vida sofrida.

Postado por Ricardo Ceratti.

Love life and immigrants

The concept the man has to pay for the dates. What a time travel!
It's no more than a reminiscence of the macho dominant society of the past.
You see, women were not allowed to work. Or study. Or live their own lives - usually they were a burden for families who had to pretty much pay some guy to marry them and become the responsible (and in a way "owner", as bad as it sounds) of that person. Women were subjugated and in a way enslaved. In this scenario they NEEDED a man just merely survive - eat, have a roof, have clothes, and even to get the slightest respect and social acceptance from society.
Barbaric, isn't it?
A man would treat his wife with dinners and gifts, and bringing food home, not exactly for selfless reasons, but in a good part to inflate his self esteem. "I provide for this home", "I take you out", "I put food on this table", "I get you nice things". It's basically saying "look how great I am!", mixed with a great emotional blackmail line that pretty much says "I do everything for you, I keep you alive, warm and fed, and look how ungrateful you are!". I would even extrapolate things a bit here and ask you one thing: If you insert an unsurpassable communication barrier, and get rid of any sexual content (and what comes with it, like jealousy), doesn't that relationship kind of remember the one we have with our pet dogs?
Times changed, fortunately, and with that the social dynamics changes. In some countries women like to establish an inverted relation, as in some Scandinavian countries where the women feels the need to be the one paying for the whole thing. Many other countries, usually developed ones, believe in equality, either each person paying for what they had, or sharing the bill, or taking turns to buy the round of drinks. But some countries seem to clutch to the past with their both hands, and both men and women still believe the man has to pay for everything. That strikes me a bit unfair...to both! You see, they are both working now, taking care of their own lives, making their own decisions, as they should, and even though there's a big debate about income disparity and the lack of equal rights, they are both working people, with the same value, and making the same money (or so they should). Why one has to pay for the other (being the Danish woman paying for the man, or the Brazilian man paying for the woman)? If you look on the long run that is a pretty big blow on the budget, and would even, in very extreme (and stupid) cases, be ground to advocate for bigger wages for man (or for those Danish women I mentioned before) - after all they have this extra expense they can't escape. Wouldn't it be just better to simply pay together somehow, and earn equally? But money isn't the biggest problem here, in my humble opinion, but the sneaky statement that makes for both. Might be unspoken and even not consciously thought, but it is there, trust me, it is. From one side it is something like "Am I, as a person, not worth of this person's company if I didn't have to pay? If I didn't have to put an extra, to balance things out?", and the other person have the creeping feeling of "Am I someone one can pay to be with? Does it have any strings attached to this unspoken contract where I get paid things, paid for my company, indirectly in the same way as a prostitute?". It is disrespectful and devaluating for both!
But things can get worst. As in any unbalanced situation, things get a bit extreme when you put them through the immigrant lenses. I'm not talking about those (rare, in a way) cases of the expat who has a nice career and the company decides to relocate their staff to another country. I'm talking about your regular middle or low class who moves to another country to try a better life, having to start mostly everything from scratch. I'm not saying the company expat have it easy, but things get more extreme for the latter.
So you have this person who moves to a new country, usually a bit far from fluent in the language, usually unable to use previous education (at least initially), usually unable to find a decent job (at least initially as well), far from friends and family, most likely not knowing anybody, not knowing how things work, which documents to get, which rights this person have, having to face prejudice in all areas (getting a job, making friends, dating, opening a bank account), not unlikely having to pay for a visa or something that provides that visa, and also not exactly rarely sending money home to help the family.
This person just went for a rather difficult challenge. And in some societies things just get harder to a paradox level.
So you have a bad job, you are likely to be exploited and underpaid, probably living in on overcrowded house that is what you can afford, spending a lot of time and money commuting, getting lonely for the lack of friends, family, dates. You are struggling, juggling with your morale and finances. And then you finally get yourself a date (through some app, as it seems to be the only way nowadays). But then you just HAVE to pay for both of you on EVERY SINGLE TIME you see this person. A huge blow on an already stifling financial life, and a huge blow on an already debilitated sense of self worth.
You will have to choose between the cycle of making your money situation even worse, or making your lonely situation even worse.
So, put some thought about your prehistoric mindset about relationships - at least when it comes to be going out with a beaten enough immigrant.

Posted by Ricardo Ceratti.

domingo, 29 de outubro de 2017

Mind the idiot - Tome cuidado com o idiota

Inspiration is a shared thing.
If you are alone and get inspired, it is yours to use as you deem fit.
If you are with inspiring people, you will absorb their inspiration and this will increase yours. And if you a quite inspired person as well, you will all give synergy bonus to each other.
If you are amongst idiots, no matter how inspired you are in general, or how great of an idea lands onto your head, you will most likely lose it in the endless small (and stupid) talk. Or you will get so angry with the mediocrity of the conversation that you will not be in the mood to produce something creative.
So, if you plan to make good use of your potential (assuming you have some), it might pay off to be selective of your company.

Inspiração é uma coisa compartilhada.
Se você está sozinho e fica inspirado, a inspiração é sua para usar como preferir.
Se você está com pessoas inspiradas, você absorverá sua inspiração e isso aumentará a sua. E se você também for um bocado inspirado todos vocês se darão bônus de sinergia.
Se você está cercado de idiotas, não importa o quão costumeiramente você é inspirado, ou que ideia genial aterrissa na sua cabeça, você muito provavelmente irá perdê-la para o inifito papo furado (e estúpido). O voc6e ficará tão irritado com a mediocridade da conversa que você não estará com ânimo de produzir algo criativo.
Então, se você planeja fazer bom uso do seu potencial (assumindo que você tenha algum), pode compensar ser seleto com suas companhias.

Posted by - Postado por Ricardo Ceratti.

The backwards cycle - O ciclo do atraso

I am very curious about the correlation between a backward, impoverished country, and the roguish mindset of its people.
The story is always the same, as it seems: a corrupt government, building falling apart, bad public services, low wages, high cost of living, etc. And people backstabbing each other, trying to take advantage of everyone, interested in the opportunities chaos offers, individualistic, considering everybody as a fool to be fooled.
I honestly don't know. Is the horrible conditions of the country that encourages its inhabitants to find dishonest solutions? Or perhaps it is its people and their tiny sigh that prevents a country to grow, find its way towards progress, attract tourist money, make long lasting investments that will become a step up on their ladder?
Maybe it's both: they are not one the cause of the other, but both consequence of something else.
Or maybe they are feeding each other into a constant cycle of just making things worse for everybody.
It seems hard to get out of such situations where the government can't really do nice things, as people will ruin it, and the people can't really act properly, as their government will flatten them down.

Fico muito curioso sobre a correlação entre um país atrasado e empobrecido, e a mentalidade malandra de seu povo.
Me parece ser sempre a mesma história : um governo corrupto, as construções caíndo aos pedaços, péssimos serviços públicos, salários baixos, alto custo de vida, etc. E as pessoas passando a perna uns nos outros, tentando se aproveitar de todo mundo, interessados nas oportunidades que o caos oferece, individualistas, achando que todo mundo é idiota a ser enganado.
Sinceramente não sei. São as péssimas condições do país que incentiva seus habitantes a encontrarem soluções disonestas? Ou talvez é seu povo e sua visão minúscula que impede um país de crescer, encontrar o caminho para o progresso, atrair dinheiro com o turismo, fazer investimentos duradouros que serão um degrau em sua escada?
Talvez seja ambos: eles não são um a causa do outro, mas ambos consequência de outra coisa.
Ou talvez eles estejam se retroalimentando num ciclo constante de só deixar tudo pior para todo mundo.
Me parece difícil de sair de tais situações onde o governo não pode verdadeiramente fazer algo bom, pois o povo arruinaria, e o povo não pode realmente agir correctamente, pois o governo os achataria.

Posted by/Postado por Ricardo Ceratti.

sábado, 28 de outubro de 2017

Enfrentando desafios

Eu me lembro dos primeiros meses (na real até mais de um ano) na Europa.
Era minha primeira vez morando no exterior e tudo era novo para mim.
Muito excitante mas também muito, muito assustador.
Eu lembro como foi difícil para onde ir quando eu estava numa situação bem ruim na Itália. Era o pior lugar e mesmo assim eu não conseguia me forçar a ir embora. Todos meus planos deram errado e eu fiquei com a única opção de fazer novos planos rapidamente, e sozinho. É engraçado como uma pessoa que se gabava tanto de ser bom no improviso poderia ficar tão assustado de fazê-lo. Eu passei mais de uma semana adiando tomar uma decisão, e tive sorte de ter forças externas que me empurraram para a frente (dum jeito muito ruim, mas que acabou sendo uma coisa muito boa).
Acho que de certa forma eu estava assustado de fazer as coisas sozinho. O que é um pouco absurdo já que eu tinha me mudado para um outro continente completamente sozinho, sem nenhuma garantia, sem saber se eu conseguiria reconhecer minha cidadania Italiana, encontrar um emprego, um lugar para morar, me virar com um Inglês bem capenga.
Então me mudei para Londres e conheci um Polonês fascinante. Ele pegava trabalhos aqui e ali, não se preocupava com nada. Tão confiante, tão por dentro de como as coisas funcionam. Ele travalhava menos do que podia pois sabia como contornar os impostos. Ele viajava para os confins do planeta com menos esforço que alguém precisaria fazer para ir tomar o café da manhã.
Um dia perguntei-lhe como fazia isso, como poderia estar tão calmo prestes a voar para outro continente, ficar no meio do nada, e voar pela região num balão de gás. A mera ideia da coisa toda parecia assustadora demais para mim. Muito mais "e se" que eu gostaria tinha me deixado ansioso mesmo não sendo eu quem faria tudo aquilo.
Nos primeiros meses eu recebi dois convites tentadores: fui convocado para assumir cargo público, como psicólogo, numa cidade (uma para cada convocação) que eu gostava e era bem perto dos meus amigos e minha família, para trabalhar apenas 20h por semana (me permitindo tempo para viver e tocar meus projetos paralelos), recebendo um salário bem interessante. Eu simplesmente não conseguia decidir. E isso acabou comigo. Minha vida estava em frangalhos: vivendo no pior hostel dali, passando fome diariamente (perdi 10kg), dividindo um quarto com outras 14 pessoas que me impediam de dormir muito, tendo basicamente só 4-5h por dia disponíveis para tentar dormir, trabalhando sete dias por semana, em até quatro empregos ao mesmo tempo, passando quase quatro horas por dia me deslocando, estando de coração partido, sem amigos, e num desespero por ter meu próprio espaço. E então essa oportunidade aparece. Poderia alugar minha própria casa, ter minhas plantas, ter meus animais de estimação, fazer meu experimentos e projetos no meu tempo livre, estando numa cidadezinha bonita onde é seguro e as pessoas parecem amigáveis... Certamente me desmanchou. Pouco antes de tomar a decisão eu chorei como um bebêzinho na primeira vez que sente fome ou sente saudade de sua mãe. Eu não pude segurar as lágimas e começei a ceninha na área comum do hostel. Saí apressado e um cara com que eu andava as vezes me seguiu para conversar, mas eu consegui despistá-lo. Sentado num canto escuro no cordão da calçada, fumando um cigarro, me permitindo chorar, eu finalmente cheguei a minha decisão: eu iria ficar.
Eu ainda bem que fiquei. Inúmeras vezes me questionei se tomei a decisão certa, mas imagino que eu me perguntaria isso qualquer que fosse a decisão.
As coisas melhoraram mas não o suficiente, e lenta e constantemente cobraram seu preço. Eu estava ficando deprimido com o estilo de vida bosta que estava levando, mas eu estava economizando dinheiro e não precisava me preocupar com o desconhecido, então eu seguia adiando mudar minha vida. De novo.
Assim como no passado, a vida se encarregou de decidir para mim, e eu simplesmente precisei ir embora. Então comprei passagem só de ida para Berlin. Decidido a comprar um carro e simplesmente viajar pela Europa. Acontece que não é tão simples, mas eu curti meu tempo lá.
Tentei ir embora uma vez, mas serviu só para me dar conta algumas horas depois que eu não estava suficientemente preparado. Meu plano era sair acampando por aí e eu sequer tinha como carregar meu celular. Como diabos eu esperava encontrar meu caminho para chegar nos lugares?
A segunda vez que eu saí eu estava apavorado. Eu ia dirigir pela Europa pela primeira vez, ir para uma outra cidade completamente desconhecida, e... e depois o que?
Mas eu fui, e deu tudo certo.
No dia que eu planejei ir embora eu estava me sentindo tão inseguro que decidi passar a noite naquela cidade novamente - no meu carro.
E então eu fui de lugar para lugar e lentamente o medo começou a sumir.
Eu morei na República Checa, eu morei na Itália novamente, eu morei na Irlanda, eu morei na Noruega, eu morei na Suiça, agora estou morando na Bulgária, e visitei um bocado de outros países.
As pessoas acham que sou corajoso. Vou ter que discordar.
Quando me candidato para um emprego numa cidade ou país diferente do que estou morando eu costumo ouvir (ou ler) que seria muito arriscado e preferem não me entrevistar. Me parece como dizer para uma criança que é boa corredora que não deveria tentar engatinhar - é muito perigoso!
Alguns amigos ficam ansiosos quando lhes conto detalhes da minha vida ou o que talvez eu faça a seguir.
Você se acostuma. Você ganha essa confiança esquisita de que mesmo quando tudo está desabando, ninguém respondendo seus e-mails, seu tempo se esgotando, você não tem ideia do que fazer ou para onde ir, você continua muito calmo - você sabe que vai dar um jeito e que as coisas se ajeitarão.
Você pode ficar acostumado DEMAIS com isso, e só agora me dei conta disso.
Ontem eu estava botando a conversa em dia com uma amiga com quem fazia tempo que eu não falava (o que acontece com a maior parte das pessoas - eu sou péssimo em manter o contato, mas eu nunca esqueço das pessoas de quem gosto... o tempo não passa para mim quando se trata dessas pessoas) e eu a contei sobre meus últimos seis meses. Foi bem movimentado, de certa forma (saí do país em que vivia, morei em outros dois, visitei outros três), e ela pareceu impressionada, falou que era legal. Mas não é isso que eu sinto.
Não sei quando ou onde, mas eu perdi isso. Eu vou aos lugares e não me incomodo de ver tudo - eu sei que sempre poderei voltar. Eu vou a novos países e não me preocupo de ver a capital ou as principais cidades. Um país é só um país. Em todo lugar é muito diferente, mas de certa forma também é tudo igual. Você vê o lado bom e ruim, e começa a se dar conta que este ou aquele país não é muito pior que os outros - você apenas não conhece os outros lugares suficientemente bem.
O que me faz concluir que todo lugar é incrível e uma bosta ao mesmo tempo. Você apenas precisa decidir os lados negativos com os quais está disposto a aguentar, e os lados positivos dos quais não está disposto a abrir mão, e tentar encontrar o que combina melhor com você. De certa forma o mesmo vale para os relacionamentos: não existe pessoa perfeita, apenas uma pessoa que você está disposto a tolerar os defeitos e não consegue imaginar a vida sem suas qualidades.
Eu acho que me tornei um cínico, como fui chamado mais de uma vez. Ou talvez eu me tornei como aquele Polonês.
Talvez esse o rumo natural das coisas quando você espia por trás das cortinas.
Você não exerga mais a peça de teatro, você apenas vê atores trabalhando, e a vida perde um pouco de sua mágica.
Mas eu não acho que isso seja uma coisa ruim, a bem da verdade. Apenas o libera de todas aquelas coisas e o permite enxergar um pouco mais além, a ver o que está atrás daquele morro. E, acredite, pode não ser tão fácil, mas você certamente conseguirá encontrar coisas que o fascinarão, e tentar entendê-las pode vir a ser ainda mais mágico do que quando você era criança e acreditava em Papai Noel.

Postado por Ricardo Ceratti.

Facing challenges

I remember my first months (hell, even over a year) in Europe.
It was my first time living abroad and everything was new to me.
Very exciting but also very, very scary.
I remember how difficult it was to actually decide where to go next when I was in a really bad situation in Italy. It was the worst place, but I just couldn't force myself to leave. All my plans foiled and I left with the only choice of quickly making new ones, on my own. It is funny how a person who would brag about being good at improvising would be scared to do so. I spent over a week postponing the decision making, and got lucky that external forces pushed me forward (in a very bad way, but it was a very good thing after all).
I guess in a way I was a bit worried about doing things alone. Which is a bit absurd, as I moved to another continent completely alone, without any guarantees, not knowing if I would be able to recognise my Italian citizenship, find a job, a place to live, manage life with my very broken English.
Then I moved to London and I met this fascinating Polish guy. He was getting jobs here and there, not worried about anything. So confident, so knowledgeable. He would work less than he could because he knew his way around taxes. He would travel to distant parts of the planet putting to it less effort than someone would put to have breakfast.
One day I asked him how he do that, how could he be so calm when he was about to take a flight to another continent, stay in the middle of nowhere, and fly around in a hot air balloon. The whole idea behind it sounded too scary for me. Way too many "what ifs" made me anxious even though I wasn't the one doing all of that.
On the first few months I got two tempting invitations: to work for the government, as psychologist, in a town (one for each time I was summoned) I liked and it was quite close from friends and family, to do just 20h a week (meaning having time to live and work on my side projects), getting a very interesting payment. I just couldn't decide. That broke me. My life was in shambles: living in the worst hostel around, starving on a daily basis (I lost 10kg), sharing a room with another 14 people who prevented me from getting much sleep, having basically just 4-5h available daily to get any sleep, working seven days a week, in up to four jobs at the same time, spending almost four hours a day just commuting, heartbroken, no friends, in dire need of my own space. And this opportunity comes. To rent my own house, have my plants, have my pets, do my experiments and projects on my time off, being in a cute little town where it was safe and people seemed friendly... It certainly broke me down. Right before the decision I cried, like a little baby the first time it feels hungry or misses his/her mother. I couldn't hold the tears and started the scene in the hostel lobby. I rushed out and a guy I hanged out with some times followed me to talk, but I managed to lose his track. Sitting on a dark spot of the sidewalk, smoking a cigarette, accepting my tears, I finally managed to make my decision: I was going to stay.
And I am glad I did. I often question myself if it was the right decision, but I suppose I would always ask myself that no matter the choice made.
Things improved but not enough, and slowly but steady they took their tool. I was getting depressed with the crappy lifestyle I was leading, but I was saving money and didn't have to worry about the unknown, so I kept postponing changing my life. Again.
As in the past, life managed to make the decision for me, and I simply had to leave. So I bought a one way ticket to Berlin. Adamant to buy a car and just travel around. Turns out it wasn't that simple, but I quite enjoyed my time there.
I tried to leave once, only to realise a few hours later that I wasn't prepared enough. The idea was camp around and I didn't even have a way to charge my phone. How the hell I planned to find my way to places?
Second time I left I was terrified. I was going to drive in Europe for the first time, go to another completely unknown town, and... and then what?
But I went, and all was fine.
The day I should leave I was feeling so insecure I decided to spend the night in that town again - in my car.
And so I went from place to place and the fear slowly started to fade.
I lived in Czech Republic, I lived in Italy again, I lived in Ireland, I lived in Norway, I lived in Switzerland, I am now in Bulgaria, and I visited a bunch of other countries.
People say I'm brave. I'll have to disagree.
When I apply for a job in a town or country different than the one I am at I often hear (or read) that it would be too risky and they rather not even interview me. Feels like telling a kid who is a good runner that he should try to crawl - it is too dangerous!
Some friends feel nervous when I share with them details about my life or what I might do next.
You get used to it. You get this weird confidence that even when things are falling apart, nobody is answering your e-mails, your time is running out, you have no idea what to do or where to go, you are still very calm - you know you will sort it out and things will fall into place.
You can get TOO used to it, and I only realised it now.
Yesterday I was catching up with a friend I haven't talk for a good while (the case of most people - I am terrible at keeping in touch, but I never forget the ones I like...time doesn't pass for me when it comes to them) and I told her about my last six months. It was quite eventful in a way (left a country I was living, lived in another two, and visited another three), and she seemed impressed, she said it was cool. But I don't feel it.
I don't know when or where, but I lost it. I go to places and I don't bother seeing it all - I know I can always return. I go to new countries and I don't bother about seeing the capital or main cities. A country is just a country. Everywhere is very different, but in a way it is also all the same. You see the good and the bad, and you start to realise that this or that country isn't so much worse than the others - you just don't know the other places well enough.
Which leads me to the conclusion that every place is amazing and shitty at the same time. You just have to figure out what are the bad sides you are willing to put up with, and the good sides you are unwilling to forfeit, and try to find the best match. In a way the same goes for relationships: there is no perfect person, just a person you can tolerate the flaws and you just can't imagine life without their qualities.
I guess I became a cynic, as I was called in more than one occasion. Or maybe I just became like that Polish guy.
Maybe that's just the natural way things go when you see behind the curtains. You no longer see the play, you see actors doing their jobs, and life loses a bit of it's magic.
But I don't think that is a bad thing, actually. It just sets you free from all those things and allow you to see a bit farther, to see what's behind that hill. And, trust me, it might not be as easy, but you can certainly find things to be fascinated about, and trying to figure them out can be even more magical then when you used to be a kid who believed Santa Claus was real.

Posted by Ricardo Ceratti.

Time fix everything (or not) - O tempo conserta tudo (ou não)

It is amazing how the passage of time finds its way to select the memories we keep, discarding most of the bad ones, and keeping, and even enhancing, the good ones.
When you look back it all seem better than it actually was.
Perhaps that is part of the reason we are always dissatisfied with our current situation. That relationship from the past was better; the phone you had was a source of happiness; the good old times were the golden age; the food used to taste better.
I wonder how much happier we would be with our present if our memories from the past were more accurate.

É incrível como o passar do tempo encontra um jeito de selecionar as memórias que mantemos, descartando a maioria das memóris ruins, e mantendo, e até abrilhantando, as boas.
Quando olhamos para o passado tudo parece ser melhor do que realmente foi.
Talvez este seja parte do motivo pelo qual estamos sempre insatisfeitos com nossa situação atual. Aquele relacionamento do passado era melhor; o telefone que você tinha era uma fonte de felicidade; os bons e velhos tempos eram os anos de ouro; a comida costumava ter um gosto melhor.
Me pergunto o quão mais felizes seríamos com nosso presente se nossas memórias do passado fossem mais precisas.

Postado por Ricardo Ceratti.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Just one side of the same dice / Apenas uma face do mesmo dado

We shouldn't assume a problem as situational if there are other ones constatly emerging with the same goal.

Não devemos tomar por situacional um problema se constantemente se dá o surgimento de outros de semelhante propósito.

Posted by / Postado por Ricardo Ceratti