segunda-feira, 6 de abril de 2009

"Visão".

Depois de algum tempo "psicologizando", observando o comportamento das pessoas, ajudando as pessoas em suas dificuldades, em elaborar seus traumas, as permitindo que se aceitem como são, estudando psicologia, etc. acabamos ficando bons demais em perceber o que se passa com as pessoas.
Não estou dizendo que sou um psicólogo "bom demais" nem nada disso!
Na realidade o que eu quero dizer é que, com minha experiência atual, apesar de limitada, eu acabo enxergando mais do que gostaria das pessoas.
No início é aquela habilidade que a grande maioria tem: de perceber as sutilezas de quem se ama, como a mãe percebe que seu filho chorou ou o amigo que percebe que a amiga não está bem.
Depois de algum tempo a "visão" expande e é possível perceber os detalhes até mesmo daquelas pessoas que não são tão próximas assim. É possível ver que um conhecido, um colega de trabalho, não está bem, apesar de que possivelmente não se entenda as razões para tal.
Com o treino e estudo a "visão" vai ficando cada dia mais aguçada. Uma grande porção das coisas é perceptível, mesmo contra nossa vontade.
E é nesse estágio que me encontro atualmente.
Sei que com mais prática esta visão vai acabar ainda mais eficiente, mas não é disso que quero falar.
O fato é que não há mais como voltar atrás. A experiência permite enxergar mesmo que se deseje ser cego.
É justamente neste momento que a dor do mundo acaba virando a nossa dor individual.
É nesse momento que não conseguimos NÃO perceber o sofrimento alheio. E acredite em mim, existe muito sofrimento por aí!
Não estou dizendo que não existem pessoas felizes ou que não existam coisas boas. Não sou tão pessimista assim!
O problema é perceber toda essa dor. De que adianta? Mesmo a pessoa mais dedicada do mundo, vivendo num mundo onde as pessoas se abrissem para estranhos que os quisessem ajudar (ao invés do atual medo proveniente da crença [justificada] de que não existem pessoas que queiram fazer o bem sem algo em troca), não seria capaz de ajudar todos aqueles que percebe em sofrimento.
Mesmo que esta pessoa que quer ajudar não se destruisse ao tentar curar toda dor do mundo.
Mesmo que esta pessoa não precisasse dormir nem comer. Que tivesse 24 horas de seu dia para "consertar" quem está "quebrado".
Mesmo assim, ainda teria que deixar passar tanto sofrimento, tanta dor.
Chego a me questionar de que adianta esta profissão. Mas obviamente me respondo em poucos segundos de que é melhor ajudar alguns do que não ajudar ninguém.
Queria encontrar uma solução. Uma forma de resolver o problema. Resolver por todos os lados. Menos pessoas passando por situações que as causam sofrimento, bem como mais e mais psicólogos dedicados a "curar" todo mundo.
Mais irrealista, impossível. Infelizmente.
Chega um ponto que esse "dom" da "visão" se torna um fardo.
Não sei se ainda o quero.
Talvez, nem que fosse por alguns meses, alguns dias, algumas horas que seja, eu gostaria de ser "cego". De não enxergar nada disso. De fingir que TUDO está bem, de que o mundo é um lugar maravilhoso para se viver e os outros humanos são excelentes companhias.
Não me olhe assim! Algumas pessoas realmente conseguem! Ou pelo menos elas fingem bem demais para que minha "visão" mediana enxergue através delas...
Será que existe alguma lente que me permita, por alguns momentos, voltar a ser um dos "cegos"? A não ver mais a dor do mundo?




Postado por Ricardo Ceratti.