quarta-feira, 22 de abril de 2009

Banalizando.

Acho que parei no tempo.
Ou os tempos que mudaram rápido demais, não sei.
Fiquei um bom tempo alienado, até gosto.
Esses dias resolvi fazer algo raríssimo na minha vida: abrir o jornal.
Para minha surpresa, o que encontro?
Seios. Nus.
Ok, é bonito e tudo mais. Mas... da última vez que abri o jornal não ficavam aparecendo por aí para qualquer criança de qualquer idade ver.
Aliás, nem nas revistas eroticazinhas (como as VIP da vida) eles apareciam assim, tão direta e descaradamente.
Mas hoje em dia pelo jeito é a coisa mais normal do mundo.
Comentei isso com minha namorada e concluí que, nesse ritmo logo não haverá distinções entre o conteúdo visual da revista citada antes para o das revistas especializadas (como playboy, por exemplo).
E o acesso então, cada vez mais universal.
Não sei, acho que devo ser meio antiquado.
Acho bonito que algumas coisas sejam escondidas, que não possam ser vistas cotidianamente. Ficam banais, sabe?
Não me parece um bom caminho. Duvido que existiriam as belas pinturas e esculturas do corpo humano se sempre tivessemos essa banalização.
E também não me parece muito bom dar esse tipo de acesso a crianças. Crianças que cada dia são menos crianças. Cada dia brincam menos e começam de "ficar" e "transar" mais cedo.
Me parece apenas mais um passo para tornar o mundo um lugar cada vez mais adepto da putaria que a mídia tanto gosta de nos propiciar.
Nisso eu estava vendo umas propagandas antigas. Me deparei com a propaganda do "tio da sukita", lembra?
Lembro que na época aquela propaganda chamava atenção pelos seus teores.
Olhando hoje, 10 anos depois, parece propaganda para infantes.
Como tanto mudou em 10 anos?
Será que isso tudo é culpa de eu ainda ter dificuldade de acreditar que já não estamos mais na década de 90?



Postado por Ricardo Ceratti.