quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Águia.

Uma águia (acho que é a águia...), quando tem filhotes, se esforça para ensiná-los a serem independentes, que se virem sozinhos.
Então ela os empurra da beira de um penhasco para que aprendam a voar por conta própria.
Porém os filhotes não estão completamente abandonados à própria sorte.
A águia se mantém atenta para impedir que sofram algum ferimento fatal, os resgatando em caso de falharem na tentativa de vôo.

Penso que esta deveria ser a melhor forma de definir a função dos pais:
Educar os filhos para o mundo. Lançá-los para enfrentar o mundo, para aprenderem na prática, ganhar experiência. Mas estar próximo para que nada de realmente grave os aconteça.

É uma pena ver tantas pessoas educando seus filhos para serem eternamente dependentes, ou completamente abandonados a própria sorte.
Os depentendes, se conformados com sua situação, nunca realmente crescem. Logo, ou pulam de dependência (passam a depender do cônjuge) ou ficam completamente desnorteados quando os pais não se fazem mais presentes para lhes dizerem o que fazer.
Os abandonados a própria sorte ou se tornam duros demais para a vida, muitas vezes se encontrando forçados a apelar para algo não muito aceito social ou legalmente, ou acabam por não resistir e perecer.
Dois extremos disfuncionais.
Disfuncionais, porém, na maioria dos casos, seriam tão facilmente evitados.
Triste...




Postado por Ricardo Ceratti.